GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por Admin em Qua Abr 03, 2013 12:55 am

GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Admin
Admin

Mensagens : 8
Data de inscrição : 03/04/2013

Ver perfil do usuário http://formacaodocentefest.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por HERTHA_TRAUTMANN em Qui Abr 04, 2013 11:06 pm

PROJETO DIDÁTICO INTERDISCIPLNAR:
DIALOGANDO COM OS CONCEITOS ESTRUTURANTES NA FORMAÇÃO DOCENTE
ACADÊMICO/A: HERTHA REJANE DA SILVA TRAUTMANN
III PERÍODO NOTURNO


QUADRO DE CONCEITOS DO FÓRUM VIRTUAL
REFERÊNCIAS: A ESCOLA E O PROFESSOR “PAULO FREIRE E A PAIXÃO DE ENSINAR” DE MOACIR GADOTTI.

CONCEITOS
O QUE EU APRENDI
GLOSSÁRIO


AÇÃO CULTURAL
Ação cultural é aquela na qual os agentes da ação, os transformadores
culturais incentivam o sujeito (a que a ação está direcionada) a assumir o papel
de agentes da ação.

Para Paulo Freire, todos os seres humanos, ao entrar em contato com a natureza e refletir sobre o sentido que tem sua ação, são criadores de cultura. Portanto, sua ação é uma ação cultural.


ACULTURAÇÃO
O termo aculturação designa o processo de contato entre culturas distintas e as suas conseqüências, o processo de implantar uma nova cultura num ambiente que não o da sua origem.Um dos exemplos de aculturação é a cultura romana que, por ser tão similar à grega, torna-se praticamente uma cultura denominada como cultura greco-romana. Este tipo de processo acontece devido à convivência com outras culturas.


Forma como um povo se adapta à forma de pensar do país que o tenha invadido, dominado, ou de um país que é suficientemente poderoso para impor-lhe sua maneira de pensar através, por exemplo, da guerra, da televisão, do cinema, da mídia, das tecnologias da informação. Implica uma certa alienação da cultura local ou nacional.



ALIENAÇÃO

Filosoficamente falando, é quando a consciência torna-se desconhecida a si própria ou a sua própria essência.
Torna o individuo desinteressado por questões políticas ou sociais. Ocorre também com pessoas que, tendo sido educadas em condições sociais determinadas, se submetem cegamente aos valores e instituições dadas, perdendo assim a consciência de seus verdadeiros problemas.

Quando uma pessoa perde o domínio de algo que lhe pertence. Processo mediante o qual o povo, um grupo ou um individuo se vê estrangeiro (cego, estranho, perdido) a si mesmo. Isto pode suceder em nível econômico, político, cultural, social etc. Ou seja, quando a pessoa não sabe o que está havendo com ela mesma e como não reflete sobre o que acontece, atua como um estrangeiro que chega a um lugar que não conhece e se sente perdido.


LIBERDADE
Estado de pessoa livre e isenta de restrição externa ou coação física ou moral. È o ato de poder exercer livremente a sua vontade. É a busca da condição de não ser sujeito, como indivíduo ou comunidade, a controle ou arbitrariedades políticas estrangeiras. É o direito que todos os cidadãos têm de empregar em comum os seus esforços para um fim lícito.

Em seu livro Pedagogia do oprimido, Paulo Freire define a liberdade como “uma conquista e não uma dádiva: ela exige uma pesquisa permanente. Pesquisa permanente que só existe no ato responsável daquele que a realiza. Ninguém possui a liberdade, como condição para ser livre; ao contrário, se luta pela liberdade porque não se a possui. A liberdade não é um ponto ideal, fora dos homens, em frente do qual eles se alienam. Não é uma idéia que se faz mito. É uma condição indispensável ao movimento de pesquisa no qual os homens estão inseridos porque são seres inconclusos


PRÁXIS
A práxis é considerada uma etapa necessária na construção de conhecimento válido. A teoria é implementada nas aulas e foca-se na abstração intelectual; a práxis, por sua vez, ocorre a partir do momento em que essas idéias são experimentadas no mundo físico para continuar com uma contemplação reflexiva dos seus resultados. É quando a teoria passa a fazer parte da experiência vivida.


É a união que se deve estabelecer entre o que se faz e o que se pensa acerca do que se faz. A reflexão sobre o que fazemos em nosso trabalho diário, com o fim de melhorar tal trabalho, pode-se denominar com o nome de práxis. É a união entre a teoria e a prática. Conceito comum no marxismo, que é também chamado de “ filosofia da práxis”, designa a reação do homem às suas condições reais de existência, sua capacidade de inserir-se na produção (práxis produtiva) e na transformação da sociedade (práxis revolucionária). Para Paulo Freire, práxis é “a ação e reflexão dos homens sobre o mundo para transformá-lo”.

INÉDITO VIÁVEL
Para que o inédito viável ocorra são necessários três movimentos: querer, refletir e agir. O plano do “querer” encerra em si a dimensão política em função da qual se fazem as opções que orientam a direção do sonho a ser construído. O plano do “refletir” encerra em si a dimensão epistemológica a partir da qual se ampliam a compreensão da razão de ser das situações limites e os motivos que tornam imprescindível a luta pelo sonho. O “plano do agir” encerra em si a dimensão estética que envolve a qualidade da participação nesse processo.
Expressão utilizada por Paulo Freire para designar o devir, o “ainda-não”, o futuro a se construir, a futuridade a ser criada, o projeto a realizar. Essa expressão tem a ver com a noção de sonho e de utopia. Para Paulo Freire a utopia está ao mesmo tempo no ato de denúncia do mundo desumano e no de anúncio do mundo humano a ser construído pela nossa ação transformadora. Inédito viável é a possibilidade ainda inédita de ação que não pode ocorrer a não ser que superemos as situações-limites, transformando a realidade na qual ela está com a nossa práxis.


HUMANIZAÇÃO

Ato ou efeito de humanizar, mudando o comportamento e atitudes, tornando-se humano e dando condições humanas.


Caminho pelo qual os homens e as mulheres podem chegar a ser conscientes de si mesmos, de sua forma de atuar e de pensar, quando desenvolvem todas as suas capacidades. Humanização e desumanização “são possibilidades dos homens como seres inconclusos e conscientes da sua inconclusão. Mas se ambas constituem uma possibilidade, só a primeira parece constituir a vocação do homem”. A desumanização é “uma distorção da vocação de ser mais, distorção possível na história, mas não é uma vocação histórica”. E ainda que a desumanização seja real na história, contudo, não é um destino contra o qual não se possa lutar, mas “o resultado de uma ordem injusta que gera violência por parte dos opressores, a qual, por sua vez, gera o “ser menos’”.


DIÁLOGO
O dialogo pode ser apenas uma simples conversa entre duas ou mais pessoas: um diálogo entre amigos, até mesmo uma troca de idéias: o diálogo entre civilizações. Como dizia José Prat: “ Sempre que alguém afirma que dois e dois são quatro e um ignorante lhe responde que dois e dois são seis, surge um terceiro que, em prol da moderação e do diálogo, acaba por concluir que dois e dois são cinco.

É a essência da educação para Paulo freire, um “encontro dos homens mediatizados pelo mundo para dar um nome ao mundo”. Os homens e as mulheres, ao refletir sobre sua prática e ao atuar sobre ela, para transformá-la, necessitam comunicar-se, pôr-se de acordo entre si, estar dispostos a escutar outras opiniões, a constatar se o que se está fazendo é realmente positivo. É atuar e pensar como sujeitos e permitir que as outras pessoas que os rodeiam também sejam sujeitos críticos.

CONSCIÊNCIA INGÊNUA

A consciência ingênua nos induz a pensar que os tempos antigos é que eram bons. Tudo era mais fácil, de maior
qualidade, de maior durabilidade, de maior sinceridade, e assim por diante. Já a consciência crítica se antepõe e alerta que o mundo tem mudado e para cada época as necessidades e valores são diferentes
É a consciência humana no grau mais elementar de seu desenvolvimento quando está ainda imersa na natureza e percebe os fenômenos, mas não sabe colocar-se à distancia deles para julgá-los. É a consciência no estado natural, ainda mágico. É uma consciência natural na medida e que a passagem da consciência ingênua para a consciência crítica se dá por um processo de humanização.

ATIVISMO
Princípios segundo os quais se deve buscar a transformação da realidade por meio da ação, da prática efetiva, em lugar de se dedicar à mera especulação teórica.
Atitude daqueles que se dedicam exclusivamente à ação sem refletir criticamente sobre o que fazem. Sem sistematizar sua prática. Seu oposto é o verbalismo, que consiste em valorizar apenas a palavra, a teoria, e desprezar a ação, a prática.


Última edição por HERTHA_TRAUTMANN em Qui Abr 04, 2013 11:39 pm, editado 1 vez(es)

HERTHA_TRAUTMANN

Mensagens : 2
Data de inscrição : 03/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por andre almeida em Qui Abr 04, 2013 11:30 pm

PROJETO DIDÁTICO INTERDISCIPLNAR:
DIALOGANDO COM OS CONCEITOS ESTRUTURANTES NA FORMAÇÃO DOCENTE
ACADÊMICO/A: ANDRÉ ALMEIDA DA CONCEIÇAO
X PERIODO DE DIREITO

QUADRO DE CONCEITOS DO FÓRUM VIRTUAL
REFERÊNCIAS: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

CONCEITOS
O QUE EU APRENDI
GLOSSÁRIO

TRÊS LIVROS QUE SE COMPLETAM O autor nesta obra faz varias observação acerca do papel do professor, da importância que este tem perante o ato de ensinar, e em algumas partes faz indagações de como seria a docência hoje aos olhos de Paulo Freire. O que é ser professor na ótica de Paulo Freire? Como devemos formar o professor para esse tempo? O que ele deve saber e como deve ensinar?
A ESCOLA COMO UM LUGAR ESPECIAL É de fácil percepção que o autor nos deixa de forma clara que a escola não é só um lugar para estudar, mais também é um lugar de encontros, de conversar, de discutir, confrontar-se com os demais, enfim, a escola não tem o papel de transformar tudo sozinha, ela precisa também esta ligada diretamente com a família e com a sociedade. A escola não pode mudar tudo e nem pode mudar a si mesma sozinha. Ela está intimamente ligada à sociedade que a mantém. Ela é ao mesmo tempo, fator e produto da sociedade. Como intuito social, ela depende da sociedade e, para se transformar, depende também da relação que mantém com outras escolas e com as famílias.
A UTOPIA COMO TEMA EPOCAL FREIREANO Nas lições trazidas pelo autor, advém o entendimento formulado por Paulo Freire sobre utopia e sonho, este que por sua vez, era considerado como um educador do futuro. Considerando assim a utopia como um tema epocal, trazendo um pensamento profético como um pensamento utópico, trazendo este ultimo o pensamento de um mundo melhor. A leitura de Paulo Freire deveria começar sempre por essa porta de entrada, a porta da utopia. A utopia é o que ele chamaria de chamaria de um tema “epocal”. Para ele, epocal é tema que sintetiza uma preocupação ampla e convergente de toda época.
PEDAGOGIA DA LUTA, PEDAGOGIA DA ESPERANÇA. Essa duas pedagogias devem ser consideradas como inseparáveis, pois ambas se completam, ou seja, está relacionado um só fim que é a educação. É muito importante associar a pedagogia da esperança com a pedagogia da luta, essas pedagogias são inseparáveis no pensamento de Paulo Freire.
ALGUMAS TESES FREIREANAS A tese se torna um momento de discussão da matéria ora em estudo, tendo como elemento primordial o conhecimento aprofundado da matéria, o autor traz em seu texto o conhecimento de Paulo Freire acerca da tese, o que por final ele retrata os limites da educação, ou seja, os limites da pratica educativa. A educação não pode tudo, dizia ele. Não podemos ser ingênuos se quisermos ter uma pratica educativa critica transformadora. “Não há pratica educativa como de resto nenhuma pratica que escape a limites”.
PAULO FREIRE E A FORMAÇAO DO PROFESSOR Paulo Freire sempre teve uma preocupação voltada na formação do professor, pois o mesmo sempre afirmava da importância que tinha a profissionalização do professor para a docência. A formação do professor foi uma grande preocupação constante em Paulo Freire, manifestada em suas obras.
A VIDA COMO FOCO CENTRAL DA PRATICA DOCENTE Paulo Freire tinha em suas obras sua própria autobiografia, por fim queria ele que suas obras não fossem simplesmente reproduzidas, pois a mesma já havia sido feita, pois o mesmo não queria ser mais criticado como um ingênuo pelo simples fato de acreditar nas virtudes revolucionaria democracia. como também não queria ser considerado como um idealista. Paulo não queria que sua tese fosse simplesmente reproduzida. Ele mesmo já havia reescrito grande parte dela ao publicar seu primeiro livro, A educação como pratica da liberdade, em 1967.
EDUCAR NA CIDADE QUE EDUCA A educação hoje se torna um fator necessário para a vida em sociedade, educação é adquirir conhecimento, conhecer novos horizontes, mudar o mundo. Com o conhecimento podemos nos auto conhecer, através dele podemos ter competência para desvendar os mistérios do mundo, servindo também para planejar o nosso futuro. Serve para adquirirmos as habilidades e as competências do mundo do trabalho, serve para tomar decisões da vida em geral, social, política, econômica. Serve para compreender o passado e projetar o futuro. Serve para nos comunicar, para comunicar o que conhecemos, para compreender melhor o que já conhecemos e para continuar aprendendo.
APRENDER E ENSINAR COM SENTIDO O professor deve ser visto como aquele que tem o dom de ensinar, o professor nada mais é do um facilitador para se chegar ao conhecimento, ou seja, através de suas habilidades e técnicas, é possível chegar a um grande conhecimento. O professor deve sempre se preocupar com a aprendizagem de seus alunos, pois como o texto mesmo diz, pergunta para o professor como é sua profissão é o mesmo que perguntar como vai a aprendizagem de seus alunos. Devemos nos preocupar permanentemente com a aprendizagem de nossos alunos. E isso depende da resposta que damos ao sentido do nosso oficio.
CONTINUAR E REINVENTAR FREIRE Mesmo não sendo ele (Paulo Freire) uma pessoa que estivesse preocupada em agradar a todos, ele era uma pessoa que respeitava todos e isso era reconhecido por unanimidade, considerado também como uma pessoa generosa,cordial. Podia discordar das idéias, mas respeitava a pessoa, mostrando um elevado grau de civilização, e mais sua pratica de dialogo o levava a respeitar também o pensamento daqueles e daquelas que não concordavam com ele.




andre almeida

Mensagens : 3
Data de inscrição : 03/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Quadro de conceitos didática- Nathália Carvalho Muniz‏

Mensagem por Nathália Muniz em Qui Abr 04, 2013 11:32 pm

PROJETO DIDÁTICO INTERDISCIPLNAR:
DIALOGANDO COM OS CONCEITOS ESTRUTURANTES NA FORMAÇÃO DOCENTE
ACADÊMICO/A: Nathália Carvalho Muniz
III PERÍODO NOTURNO

QUADRO DE CONCEITOS DO FÓRUM VIRTUAL
REFERÊNCIAS: A ESCOLA E O PROFESSOR
PAULO FREIRE E A PAIXAO DE ENSINAR.

CONCEITOS

O QUE EU APRENDI

GLOSSÁRIO

Acão cultural
A aprendizagem é uma forma de transformação, pois a leitura e a escrita são feitas para que se crie conhecimento sobre qualquer que seja o assunto e também é a considerando que adquire-se ação cultural.
Quando as pepssoas aprendem a ler e a escrever sua realidade, atuando sobre ela para transformá-la, sua acão é uma cultural. Para Paulo Freire, todos os seres humanos, ao entrar em contato com a natureza e refletir sobre o sentido que tem sua ação, são criadores de cultura. Portanto, sua ação é uma ação cultural é um ato de conhecimento e de transformação da realidade (ver cultural).
Ativismo
Ações em que não se preoculpam no que estão fazendo, simplismente fazem. Embora exista o verbalismo em que nele é o oposto, não se preoculpam muito com ação e sim mas com o sentido do fato ou ato e saindo um pouco da prática.
Atitude daqueles que se dedicam exclusivamente à ação sem refletir criticamente sobre o que fazem. Sem sistematizar sua prática. Seu oposto é o verbalismo, que consiste em valorizar apenas a palavra, a teoria, e desprezar a ação, a prática.
Consciência crítica
A consciência crítica é uma forma de se entender, perceber e conhecer, as razões que existem para o sentido de porque estamos no mundo. Tem o importante poder de discernir reflexões e ações humanas para a realidade em que se promôva transformações.
Segundo Paulo Freire, a consciencia crítica é o conhecimento ou a percepção que consegue desocultar certas razões que explicam a maneira como os homens e as mulheres estão no mundo. Ela desvela a realidade, conduz os seres humanos à sua “vocação ontológica” e histórica de humanizar-se. Ela se fundamenta na criatividade e estimula a reflexão e a ação verdadeiras dos seres humanos sobre a realidade, promovendo a sua transformação criadora (ver consciencia ingênua).
Consciência ingênua
Ela trata do estado da consciência natural, mágica, ingênua. Não tem pensamentos críticos nas coisas.
É a consciência humana no grau mais elementar de seu desenvolvimento quando está ainda imersa na natureza e percebe os fenômenos, mas não sabe colocar-se à distancia deles para julgá-los. É a consciência no estado natural, ainda mágico. É uma consciência natural na medida em que a passagem da consciência ingênua para a consciência crítica se dá por um processo de humanização (ver consciência crítica).
Cultura do silêncio
É uma sociedade em que não se pode pronunciar e nem tomar decisões a determinados fatos. As pessoas embora não sejam tratadas como se devem, o silêncio é algo que se escolha. Elas apenas se calam a suas opressões, pois o mundo em que elas vivem, pessoas não silênciosas passam longe de suas culturas.
É o fruto da sociedade opressora em que os homens e as mulheres não podem refletir e tomar decisões acerca de tudo aquilo que os afeta, não podem pronunciar sua palavra. Mas, ainda que as pessoas sejam tratadas como se fossem coisas, objetos, tal silêncio é relativo. É um silêncio aparente já que os explorados expressam, de alguma forma, o que realmente sentem de sua opressão. Entre os oprimidos, desenvolve-se uma cultura que os poderosos não vêem, que é silenciosa, mas que é uma forma de resistência à opressão.
diálogo
É o que se dá a comunicação entre as pessoas, para transformação. É a troca de opiniões para que se chegue a uma ideia sendo ela crítica ou não.
É a essência da educação para Paulo Freire, um “encontro dos homens mediatizados pelo mundo para dar nome ao mundo”. Os homens e as mulheres, ao refletir sobre sua prática e ao atuar sobre ela, para transformá-la, necessitam comunicar-se, pôr-se de acordo entre si, estar dispostos a escutar outras opiniões, a constatar se o que se está fazendo é realmente positivo. É atuar e pensar como sujeitos e permitir que as outras pessoas que os rodeiam também sejam sujeitos críticos.
liberdade
É uma conquista, pois somente quem se tem pode ser responsável para realizar. Só pode ter liberdade quem luta pr ela, é uma dádiva humana.
Em seu livro Pedagogos do oprimido, Paulo Freire define a liberdade como “uma conquista e não uma dádiva; ela exige uma pesquisa permanente. Pesquisa permanente que só existe no ato responsável daquele que a realiza. Ninguém possui a liberdade, como condição para ser livre, ao contrário, se luta pela liberdade porque não se a possui. A liberdade não é um ponto ideal, fora dos homens, em frente do qual eles se alienam. Não é uma idéia que se faz muito. É uma condição indispensável ao movimento de pesquisa no qual os homens estão inseridos porque são seres inconclusos”
Texto e contexto
A leitura distingui a pronunicia do mundo, se não tiver a pronuncia em um texto e contexto não se desenvolve a realidade. O ler e o escrever é um processo de conhecimento com a realidade do homem e o mundo.
Aprender a ler e escrever não implica por si só o desenvolvimento da capacidade de reflexão. Uma leitura não-crítica separa texto e contexto, transformando o texto num discurso abstrato, sem vinculação com a realidade. Ao contrário, ler é pronunciar o mundo, codificá-lo, para, no final, conhecer a si mesmo. A vinculação entre o ato de ler e a realidade permite que ocorra um processo verdadeiro de conhecimento, transformador do homem e o mundo.
práxis
A práxis tem o objetivo de distinguir o que se pensamos com o que se fazemos, com o objetivo de melhorar o que fazemos, pois esse também é um dos nossos trabalhos diários, melhorar atitudes tanto na teoria como na prática de nossas vidas. Estudos feitos para produzir capacidade em busca da transformação da sociedade.
É a união que se deve estabelecer entre o que se faz e o que se pensa acerca do que se faz. A reflexão sobre o que fazemos em nosso trabalho diário, com o fim de melhorar tal trabalho, pode-se denominar com o nome de práxis. É a união entre a teoria e a prática. Conceito comum no marxismo, que é também chamado de “filosofia da práxis”, designa a reação do homem às suas condições reais de existência, sua capacidade de inserir-se na produção (práxis produtiva) e na transformação da sociedade (práxis revolucionária). Para Paulo Freire, práxis é “a ação e reflexão dos homens sobre o mundo para transformá-lo.
Situações-limite
São situações comuns em que estão em nosso cotidiano, devemos enfrentá-las buscando sabedoria para melhor forma de prosseguir. Sendo que, se não resolvermos essas situaçoes desafiadoras elas poderam mais na frente vir com força maior, feito bola de neve, cada vez maior... Por isso devemos resolve-las com empenho, sem tirar nossa fé e esperança de cada dia que passa seguimos com menos situações limites.
São as situações que desafiam de tal forma a prática dos seres humanos que é necessário enfrentá-las e superá-las para prosseguir. Para Paulo Freire, elas não devem ser contornadas, mas analisadas, enfrentadas e estudadas em suas múltiplas contradições, sob pena de reaparecerem mais adiante com força redobrada. Para ele, “não são as situações insuperáveis além das quais nada mais existiria. Elas não constituem um freio como qualquer coisa que não possa ter possibilidades de superação. No inicio da percepção crítica, na mesma ação se desenvolve um clima de esperança e de fé que leva os homens a se empenharem na superação das situações-limite”.

Nathália Muniz

Mensagens : 2
Data de inscrição : 03/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por Juliana Medrado de Sousa em Sex Abr 05, 2013 12:28 am

PROJETO DIDÁTICO INTERDISCIPLNAR:
DIALOGANDO COM OS CONCEITOS ESTRUTURANTES NA FORMAÇÃO DOCENTE
PROFESSORA: LUCIENE
ACADÊMICO: JULIANA MEDRADO DE SOUSA
III PERÍODO NOTURNO

QUADRO DE CONCEITOS DO FÓRUM VIRTUAL

AÇÃO CULTURAL
Chamamos de Ação cultural a transformação e ato de conhecimento das coisas, que um ser humano adquire diante de uma realidade vivida.


Para Paulo Freire, Quando as pessoas aprendem a ler e a escrever sua realidade, atuando sobre ela para transformá-la, sua ação é uma ação cultural. Todos os seres humanos, ao entrar em contato com a natureza e refletir sobre o sentido que tem sua ação, são criadores de cultura. Portanto, sua ação é uma ação cultural.


ACULTURAÇÃO
Aculturação é o processo de contato entre culturas diferentes e as suas conseqüências, o processo de implantar uma nova cultura em um determinado ambiente que não seja o ambiente da sua origem.


Forma como um povo se adapta à forma de pensar do país que o tenha invadido, dominado, ou de um país que é suficientemente poderoso para impor-lhe sua maneira de pensar através, por exemplo, da guerra, da televisão, do cinema, da mídia, das tecnologias da informação. Implica, uma certa alienação da cultura local ou nacional.



ALIENAÇÃO
É quando a consciência torna-se desconhecida a si própria ou até mesmo a sua própria essência. Ocorre também com pessoas que vivem em condições sociais determinadas, e se submetem aos valores e instituições dadas, perdendo assim a consciência.

Quando uma pessoa perde o domínio de algo que lhe pertence. Processo mediante o qual o povo, um grupo ou um indivíduo se vê estrangeiro (cego, estranho, perdido) a si mesmo. Isto pode suceder em nível econômico, político, cultural, social etc. Ou seja, quando a pessoa não sabe o que está havendo com ela mesma e como não reflete sobre o que acontece, atua como um estrangeiro que chega a um lugar que não conhece e se sente perdido.



LIBERDADE
Liberdade é o ato de poder viver livremente conforme sua vontade, é a busca de não viver sob controle ou arbitrariedades políticas. É o direito que todos os cidadãos têm de empregar em comum os seus esforços.

Em seu livro Pedagogia do oprimido, Paulo Freire define a liberdade como “uma conquista e não uma dádiva: ela exige uma pesquisa permanente. Pesquisa permanente que só existe no ato responsável daquele que a realiza. Ninguém possui a liberdade, como condição para ser livre; ao contrário, se luta pela liberdade porque não se a possui. A liberdade não é um ponto ideal, fora dos homens, em frente do qual eles se alienam. Não é uma idéia que se faz mito. É uma condição indispensável ao movimento de pesquisa no qual os homens estão inseridos porque são seres inconclusos


PRÁXIS
A práxis é considerada uma etapa necessária na construção de conhecimento válido, é a busca da melhoria entre o que pensamos e o que iremos fazer. É quando unimos a teoria e as experiências.


É a união que se deve estabelecer entre o que se faz e o que se pensa acerca do que se faz. A reflexão sobre o que fazemos em nosso trabalho diário, com o fim de melhorar tal trabalho, pode-se denominar com o nome de práxis. É a união entre a teoria e a prática. Conceito comum no marxismo, que é também chamado de “ filosofia da práxis”, designa a reação do homem às suas condições reais de existência, sua capacidade de inserir-se na produção (práxis produtiva) e na transformação da sociedade (práxis revolucionária). Para Paulo Freire, práxis é “a ação e reflexão dos homens sobre o mundo para transformá-lo”.

INÉDITO VIÁVEL
Para que o inédito viável ocorra são necessários três movimentos: querer, refletir e agir. O plano do “querer” encerra em si a dimensão política em função da qual se fazem as opções que orientam a direção do sonho a ser construído. O plano do “refletir” encerra em si a dimensão epistemológica a partir da qual se ampliam a compreensão da razão de ser das situações limites e os motivos que tornam imprescindível a luta pelo sonho. O “plano do agir” encerra em si a dimensão estética que envolve a qualidade da participação nesse processo.
Expressão utilizada por Paulo Freire para designar o devir, o “ainda-não”, o futuro a se construir, a futuridade a ser criada, o projeto a realizar. Essa expressão tem a ver com a noção de sonho e de utopia. Para Paulo Freire a utopia está ao mesmo tempo no ato de denúncia do mundo desumano e no de anúncio do mundo humano a ser construído pela nossa ação transformadora. Inédito viável é a possibilidade ainda inédita de ação que não pode ocorrer a não ser que superemos as situações-limites, transformando a realidade na qual ela está com a nossa práxis.

HUMANIZAÇÃO
É um caminho onde todos, homens e mulheres, podem chegar superar seus limites.


Caminho pelo qual os homens e as mulheres podem chegar a ser conscientes de si mesmos, de sua forma de atuar e de pensar, quando desenvolvem todas as suas capacidades. Humanização e desumanização “são possibilidades dos homens como seres inconclusos e conscientes da sua incoNclusão. Mas se ambas constituem uma possibilidade, só a primeira parece constituir a vocação do homem”. A desumanização é “uma distorção da vocação de ser mais, distorção possível na história, mas não é uma vocação histórica”. E ainda que a desumanização seja real na história, contudo, não é um destino contra o qual não se possa lutar, mas “o resultado de uma ordem injusta que gera violência por parte dos opressores, a qual, por sua vez, gera o “ser menos’”.



DIÁLOGO
O dialogo é uma conversa entre duas ou mais pessoas. Como dizia José Prat: “ Sempre que alguém afirma que dois e dois são quatro e um ignorante lhe responde que dois e dois são seis, surge um terceiro que, em prol da moderação e do diálogo, acaba por concluir que dois e dois são cinco.

É a essência da educação para Paulo freire, um “encontro dos homens mediatizados pelo mundo para dar um nome ao mundo”. Os homens e as mulheres, ao refletir sobre sua prática e ao atuar sobre ela, para transformá-la, necessitam comunicar-se, pôr-se de acordo entre si, estar dispostos a escutar outras opiniões, a constatar se o que se está fazendo é realmente positivo. É atuar e pensar como sujeitos e permitir que as outras pessoas que os rodeiam também sejam sujeitos críticos.


CONSCIÊNCIA INGÊNUA
A consciência ingênua é quando nos induzimos a pensar que antigamente tudo era mais fácil e de maior durabilidade, de maior sinceridade, e assim por diante. Já a consciência crítica se antepõe e alerta que o mundo tem mudado e para cada época as necessidades e valores são diferentes
É a consciência humana no grau mais elementar de seu desenvolvimento quando está ainda imersa na natureza e percebe os fenômenos, mas não sabe colocar-se à distancia deles para julgá-los. É a consciência no estado natural, ainda mágico. É uma consciência natural na medida e que a passagem da consciência ingênua para a consciência crítica se dá por um processo de humanização.



ATIVISMO
Devemos buscar a transformação da realidade por meio de atitude, da prática efetiva, em lugar de se dedicar à mera especulação teórica.

Atitude daqueles que se dedicam exclusivamente à ação sem refletir criticamente sobre o que fazem. Sem sistematizar sua prática. Seu oposto é o verbalismo, que consiste em valorizar apenas a palavra, a teoria, e desprezar a ação, a prática.

Juliana Medrado de Sousa

Mensagens : 2
Data de inscrição : 04/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por Icaro Veloso em Sex Abr 05, 2013 4:10 pm

PROJETO DIDÁTICO INTERDISCIPLNAR:
DIALOGANDO COM OS CONCEITOS ESTRUTURANTES NA FORMAÇÃO DOCENTE
ACADÊMICO/A: Icaro Veloso de Macedo
III PERÍODO NOTURNO

QUADRO DE CONCEITOS DO FÓRUM VIRTUAL
REFERÊNCIAS: A ESCOLA E O PROFESSOR “PAULO FREIRE E A PAIXÃO DE ENSINAR” DE MOACIR GADOTTI.

CONCEITOS
O QUE EU APRENDI
GLOSSÁRIO


AÇÃO CULTURAL
É a transformação e um ato de conhecimento das coisas, que um ser humano adquire diante de uma realidade vivida.
Para Paulo Freire, todos os seres humanos, ao entrar em contato com a natureza e refletir sobre o sentido que tem sua ação, são criadores de cultura. Portanto, sua ação é uma ação cultural.


EDUCAÇÃO PROBLEMATIZADORA
É uma escola que implica num constante ato de desvelamento da realidade e busca a emersão das consciências, de que resulte sua inserção crítica na realidade

Concepção da educação oposta à concepção bancaria. Nesta concepção, o educador propõe ao educando o conteúdo do estudo a ser feito, a partir das próprias palavras geradoras do educando, para que ele próprio possa sugerir – junto com o educador – a primeira visão do conteúdo, passando de uma visão magica para uma visão cientifica, de uma consciência ingênua para uma consciência critica. A educação problematizadora funda-se na criatividade e estimula a ação e a reflexão autenticas sobre a realidade para transforma-la



CODIFICAÇÃO
Codificação educacional significa a modificação de características de um sinal para torná-lo mais apropriado para uma aplicação específica.



É a representação de uma situação vivida pelos estudantes em seu trabalho diário e que tem relação com a palavra geradora. A codificação é a representação de certos aspectos do problema que se quer estudar. Ela permite conhecer alguns momentos do contexto concreto. A codificação “consiste na representação de uma situação existencial ou real, construída pelos alunos com seus elementos em integração”. A decodificação é o processo de analise do código para capturar os elementos existência que aí estão escondidos. A decodificação é um dos momentos mais importantes do “método Paulo Freire” de alfabetização.



LIBERDADE
É um estado em que a pessoa é livre e isenta de restrição externa ou coação física ou moral. É o ato de poder exercer livremente a sua vontade. Só pode ter liberdade quem luta por ela, é uma dádiva humana.

Em seu livro Pedagogia do oprimido, Paulo Freire define a liberdade como “uma conquista e não uma dádiva: ela exige uma pesquisa permanente. Pesquisa permanente que só existe no ato responsável daquele que a realiza. Ninguém possui a liberdade, como condição para ser livre; ao contrário, se luta pela liberdade porque não se a possui. A liberdade não é um ponto ideal, fora dos homens, em frente do qual eles se alienam. Não é uma idéia que se faz mito. É uma condição indispensável ao movimento de pesquisa no qual os homens estão inseridos porque são seres inconclusos



CONSCIÊNCIA CRITICA
A consciência critica é uma forma de relação com o mundo que busca compreendê-lo de modo concreto, analisando na base e não pelas aparências.

Segundo Paulo Freire, a consciência critica é o conhecimento ou a percepção que consegue desocultar certas razoes que explicam a maneia como os homens e as mulheres estão no mundo. Ela desvela a realidade, conduz os seres humanos à sua “vocação ontológica” e histórica de humanizar-se. Ela se fundamenta na criatividade e estimula a reflexão e a ação verdadeiras dos seres humanos sobre a realidade, promovendo a sua transformação criadora.



INÉDITO VIÁVEL
O inédito viável é uma necessários três movimentos: querer, refletir e agir. O plano do “querer” encerra em si a dimensão política em função da qual se fazem as opções que orientam a direção do sonho a ser construído. O plano do “refletir” encerra em si a dimensão epistemológica a partir da qual se ampliam a compreensão da razão de ser das situações limites e os motivos que tornam imprescindível a luta pelo sonho. O “plano do agir” encerra em si a dimensão estética que envolve a qualidade da participação nesse processo.

Expressão utilizada por Paulo Freire para designar o devir, o “ainda-não”, o futuro a se construir, a futuridade a ser criada, o projeto a realizar. Essa expressão tem a ver com a noção de sonho e de utopia. Para Paulo Freire a utopia está ao mesmo tempo no ato de denúncia do mundo desumano e no de anúncio do mundo humano a ser construído pela nossa ação transformadora. Inédito viável é a possibilidade ainda inédita de ação que não pode ocorrer a não ser que superemos as situações-limites, transformando a realidade na qual ela está com a nossa práxis.



HUMANIZAÇÃO
É o respeito mútuo dentro das relações interpessoais. É enxergar o outro com total semelhança e confiabilidade, sem que em momento algum exista prejuízo para qualquer uma das partes.

Caminho pelo qual os homens e as mulheres podem chegar a ser conscientes de si mesmos, de sua forma de atuar e de pensar, quando desenvolvem todas as suas capacidades. Humanização e desumanização “são possibilidades dos homens como seres inconclusos e conscientes da sua inconclusão. Mas se ambas constituem uma possibilidade, só a primeira parece constituir a vocação do homem”. A desumanização é “uma distorção da vocação de ser mais, distorção possível na história, mas não é uma vocação histórica”. E ainda que a desumanização seja real na história, contudo, não é um destino contra o qual não se possa lutar, mas “o resultado de uma ordem injusta que gera violência por parte dos opressores, a qual, por sua vez, gera o “ser menos’”.


DIÁLOGO
De acordo com José Prat: “Sempre que alguém afirma que dois e dois são quatro e um ignorante lhe responde que dois e dois são seis, surge um terceiro que, em prol da moderação e do diálogo, acaba por concluir que dois e dois são cinco. Tal dialogo pode ser apenas uma simples conversa entre duas ou mais pessoas: um diálogo entre amigos, até mesmo uma troca de ideias, o diálogo entre civilizações.

É a essência da educação para Paulo freire, um “encontro dos homens mediatizados pelo mundo para dar um nome ao mundo”. Os homens e as mulheres, ao refletir sobre sua prática e ao atuar sobre ela, para transformá-la, necessitam comunicar-se, pôr-se de acordo entre si, estar dispostos a escutar outras opiniões, a constatar se o que se está fazendo é realmente positivo. É atuar e pensar como sujeitos e permitir que as outras pessoas que os rodeiam também sejam sujeitos críticos.



CONSCIÊNCIA INGÊNUA
É aquela que se satisfaz com as aparências e que crê no senso comum, sem questioná-lo, aceitando-o como verdadeiro conhecimento baseado apenas em ideias superficiais e imediatistas. Informa que este modo de consciência está presente em todas as classes sociais e em todas as épocas e que possui diversas variações como o dogmatismo, ceticismo, relativismo e irracionalismo.

É a consciência humana no grau mais elementar de seu desenvolvimento quando está ainda imersa na natureza e percebe os fenômenos, mas não sabe colocar-se à distancia deles para julgá-los. É a consciência no estado natural, ainda mágico. É uma consciência natural na medida e que a passagem da consciência ingênua para a consciência crítica se dá por um processo de humanização.



ATIVISMO
É uma busca no qual se procura a transformação da realidade por meio da ação, da prática efetiva, em lugar de se dedicar à mera especulação teórica.

Atitude daqueles que se dedicam exclusivamente à ação sem refletir criticamente sobre o que fazem. Sem sistematizar sua prática. Seu oposto é o verbalismo, que consiste em valorizar apenas a palavra, a teoria, e desprezar a ação, a prática.

Icaro Veloso

Mensagens : 2
Data de inscrição : 04/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por GHEYSA DA SILVA CRUZ em Sex Abr 05, 2013 10:26 pm

FACULDADE DE EDUCAÇÃO SANTA TEREZINHA -FEST
III PERÍODO DE PEDAGOGIA NOTURNO 2013.1
ACADÊMICA: GHEYSA DA SILVA CRUZ

Queridas alunas e alunos:
Esta atividade é muito importante para que vocês se familiarizem e se apropriem de conceitos que os ajudarão a se compreenderem e a se posicionarem como atores políticos no processo educacional.

CONCEITOS BÁSICOS
APÓS A LEITURA DO TEXTO
“A escola e o professor “-Moacir Gadotti” O QUE APRENDI:
COMPARE AS SUAS RESPOSTAS COM AS DEFINIÇÕES QUE CONSTAM NO GLOSSÁRIO.

ESCOLA
É um lugar que podemos ter se relacionar com outras pessoas e uma instituição social que tem como objetivo principal fazer um aprendizado coletivo.
É um espaço de relações e também um lugar de representações sociais.
PROFESSOR

O professor é um mediador de conhecimento e, além disso, ele é um realizador de sonhos.

É muito mais que um mediador do conhecimento, ele é um problematizador.


EDUCAÇÃO BÁSICA

É através da educação básica que a pessoa inicia a sua formação de cidadania e se prepara para futuramente ser um profissional competente.
É consequência de um longo processo de compreensão /realização do que é essencial, do que é permanente, e do que é transitório para que um cidadão exerça criticamente a sua cidadania e construa um projeto de vida.

EPOCAL
É todo acontecimento período de uma época.
É o tema que sintetiza uma ampla e convergente de uma época.

UTOPIA
É um sonho ou imaginação irrealizável. Mais que muitos pensam em que a educação pode deixar de ser uma prática não utópica no sentido de ter uma prática dialética.
A utopia é fundamentalmente uma maneira de tomar distância em relação a história, de modo a poder refletir dialeticamente sobre ela.

EDUCAÇÃO PERMANENTE
É o ensino que vai aumentando com o passar do tempo.
É uma educação ao longo de toda a vida.

LIBERDADE
É quando a pessoa pode agir livremente, mais com consciência.
É a capacidade de autodeterminar-se, e agir de acordo com uma direção consciente.

PRÁXIS
É a união entre a teoria e a prática.
É a união que se deve estabelecer entre o que se faz e o que se pensa acerca do que se faz.

ESCOLA CIDADÃ

É uma escola que pratica projetos político-pedagógico no intuito de transformar as pessoas em cidadãos críticos.
É o resultado de um movimento crescente de renovação educacional tal como o movimento da Escola Nova no final do século XIX.

EDUCAR
É permitir a transformação do ser humano, fazendo com que ele entenda que o mesmo é capaz de transformar o mundo e a si mesmo.
É compartilhar o mundo: compartilhar mais do que conhecimento, ideias... Compartilhar o coração. É também desequilibrar, duvidar, suspeitar, lutar, tomar partido, estar presente no mundo.
- Com base na atividade realizada, comente sobre sua aprendizagem referente aos conceitos estruturantes.

Esta atividade foi muito boa para podermos relembrar mais sobre os conceitos de palavras que ouvimos no nosso dia a dia e também aprendemos mais sobre os conceitos de palavras que não temos o costume ou de palavras que nunca vimos ou ouvimos. E com isso podemos nos tornar seres politicamente críticos, pois nos tornaremos em breve professores de grande porte.

GHEYSA DA SILVA CRUZ

Mensagens : 7
Data de inscrição : 04/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por ariadina da silva brandao em Sex Abr 05, 2013 10:54 pm

PROJETO DIDÁTICO INTERDISCIPLNAR:
DIALOGANDO COM OS CONCEITOS ESTRUTURANTES NA FORMAÇÃO DOCENTE
ACADÊMICO/A: Ariádina da Silva Brandão Camargo
III PERÍODO NOTURNO

QUADRO DE CONCEITOS DO FÓRUM VIRTUAL
REFERÊNCIAS: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. 1ed. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

CONCEITOS

O QUE EU APRENDI

GLOSSÁRIO

Diálogo
O aluno aprende quando participa, quando questiona quando há um diálogo entre professor e aluno, a aprendizagem é com sucesso.
Os homens e as mulheres ao refletir sobre sua prática e ao atuar sobre ela para transformá-la necessita comunicar-se, pôr-se de acordo entre si, estar disposto a escutar outras opiniões, a constatar-se o que está fazendo é realmente positivo.

Texto e contexto
é a partir do conhecimento que o aluno possui da leitura, da visão é transformar a leitura em realidade, é saber criar o seu próprio argumento.
Aprender a ler e escrever não implica por si só o desenvolvimento da capacidade de reflexão. Uma leitura não crítica separa o texto do contexto, transformando o texto num discurso abstrato sem vinculação com a realidade.

Palavra geradora
É uma palavra que se pode a partir dela criar um argumento, desenvolver um texto contendo informações para a realidade.
Uma palavra muito utilizada dentro da linguagem cotidiana, a condição principal é que ela sirva para gerar outras palavras.

Práxis
É o momento em que a teoria se desenvolve, para que o indivíduo possa desenvolver suas habilidades em um determinado espaço.
É a união que se deve estabelecer entre o que se faz e o que se pensa acerca do que se faz.

Liberdade
É a consciência que cada ser tem de poder agir de compartilhar, produzir e desenvolver-se de acordo com seu pensamento.
Uma conquista e não uma dádiva; ela exige uma pesquisa permanente: pesquisa que só existe no ato responsável daquele que realiza.

Humanização
É quando o ser humano é capaz de práticar o bem de ser solidário, e inverter o mal pelo bem.
Caminho pelo qual o homem e as mulheres podem chegar a ser conscientes de si mesmos, de sua forma de atuar e de pensar.

Conscientização
É quando o ser humano tem a capacidade de poder refletir sobre seus próprios atos, desenvolvendo suas ações espontâneas.
É o desenvolvimento crítico da tomada de consciência, um ir além, fase real para chegar a uma fase crítica na qual a realidade se torna um objeto cognoscível.

Alienação

É a pessoa que não tem atitude própria que não tem capacidade de produzir só reproduzir, é incapaz de criticar e aceitar ser um sujeito passivo.
Quando uma pessoa perde o domínio de algo que lhe pertence. Processo mediante o qual o povo, um grupo ou um indivíduo se vê estrangeiro (cego, estranho, perdido) a si mesmo.

Conhecimento
É o que desenvolvemos quando temos domínio de algo é impregnar dar sentido a vida entender a transformação que acontece no dia a dia.
Adquirimos as habilidades e as competências do mundo e do trabalho, serve para tomar partes nas decisões da vida em geral, social, política e econômica.

Seres incompletos
Pessoas que estão em constate desenvolvimento construindo saberes e viver permanentemente em um processo de busca.
Inacabados, inconclusos, por isso estamos sempre aprendendo e passando por novas experiências que vão também interferindo na forma como vemos o mundo.

ariadina da silva brandao

Mensagens : 6
Data de inscrição : 05/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por HERTHA_TRAUTMANN em Sex Abr 19, 2013 12:44 am

COMENTÁRIO REFERENTE A ACADÊMICA ARIÁDINA CAMARGO:

PALAVRA CHAVE " CONHECIMENTO": Paulo Freire deixa bem claro que todo profissional que trabalha com a educação, antes de tudo, ele trabalho com uma ferramenta chamada conhecimento, que será o objeto principal de nossas atividades. Portanto, não podemos olhar para este objeto apenas com um olhar cientifico. E como diferenciar esta visão? Observando o conhecimento que é produzido no dia-a-dia no interior da escola.

HERTHA_TRAUTMANN

Mensagens : 2
Data de inscrição : 03/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por ana cristina em Sex Abr 19, 2013 12:50 am

PROJETO DIDÁTICO INTERDISCIPLNAR:
DIALOGANDO COM OS CONCEITOS ESTRUTURANTES NA FORMAÇÃO DOCENTE
ACADÊMICO/A: ANA CRISTINA FRAZÃO DA PAZ CAVALCANTE
III PERÍODO NOTURNO

QUADRO DE CONCEITOS DO FÓRUM VIRTUAL
REFERÊNCIAS: (OBRA LIDA) MOACIR GADOTTI, A ESCOLA E O PROFESSOR – PAULO FREIRE E A PAIXÃO DE ENSINAR.


Ação cultural
A sociedade busca a cultura através do aprendizado, essa cultura é diferenciada, transformando idéias em atitudes. Pois tudo que se aprende na vida humana é uma ação cultural e pode ser inovada todos os dias através do conhecimento.
Quando as pessoas aprendem a ler e a escrever sua realidade, atuando sobre ela para transformá-la,sua ação cultural. Para Paulo Freire, todos os seres humanos, ao entrar em contato com a natureza e refletir sobre o sentido que tem sua ação, são criadores de cultura. Portanto sua ação é uma ação cultural.A ação cultural é uma ato de conhecimento e transformação da realidade
Cultura do silêncio
As pessoas necessitam educar sua mente, através do silêncio, onde ouvir bem e falar pouco muitas vezes é necessário. Essa cultura reflete decisões importantes, pois o silêncio muitas vezes é essencial para um boa convivência.
É fruto da sociedade opressora em que os homens e as mulheres não podem refletir e tomar decisões acerca de tudo aquilo que os afeta, não podem pronunciar sua palavra. Mas, ainda que as pessoas sejam tratadas como se fosse coisas, objetos, tal silêncio é relativo. É um silêncio aparente já que os explorados, expressam de alguma forma, o que realmente sentem de sua opressão.

Diálogo
Diálogo é algo fundamental para vida em sociedade, pois o conhecimentos se adquire baseado no diálogo fluente. Essa prática é o alcance para o sucesso.
É a essência da educação para Paulo Freire. Os homens e as mulheres, ao refletir sobre sua prática e ao atuar sobre ela, para transformá-la,necessitam comunicar-se, pôr-se de acordo entre si, estar dispostos a escutar outras opiniões, a constatar se o que está fazendo é realmente possitivo.


Humanização
A palavra já diz humanização, quer dizer é um conjunto de aspectos fundamentais para nossa comunicação, é algo novo ou seja uma construção de conhecimentos.
Caminho pelo qual os homens e mulheres podem chegar a ser consciente de si mesmos, de sua forma de atuar e de pensar, quando desenvolvem todas as suas capacidades.

Liberdade
A liberdade não se tem por completo, pois temos direitos e deveres a serem seguidos. Pois a ação humana não é absolutamente livre.
Paulo Freire define a liberdade como uma conquista e não uma dádiva; ela exige uma pesquisa permanente. Pesquisa permanente que só existe no ato responsável daquele que a realiza. Ninguém possui a liberdade, como condição para ser livre; ao contrário, se luta pela liberdade porque não se a possui.

Invasão cultural
É uma ação diferenciada. Onde é necessário conhecer outros espaços. Conhecer outras realidades e necessidades reais da sociedade.
É a penetração, em uma sociedade qualquer, de uma cultura estranha, que lhe impõe sua maneira de ser e de ver o mundo.

Conscientização
Busca o conhecimento geral, É um processo lento, intimo e pessoal. Tem como objetivo transformar a sociedade em geral.
Processo pedagógico que busca dar ao ser humano uma oportunidade de descobrir-se por meio da reflexão crítica sobre a sua existência. Paulo Freire deu a essa palavra um conteúdo político-pedagógico tão particular que ele pode ser considerado o seu ‘pai”.

Consciência crítica
É a visão do mundo nos dias de hoje. Onde a ação humana só tem fundamento se houver compromisso. É A mudança necessária para evolução humana.
Para Paulo Freire, a consciência crítica é o conhecimento ou a percepção que consegue desocultar certas razões que explicam a maneira como os homens e as mulheres estão no mundo.

Codificação
Situação real onde apresenta vários tipos de características, vividas por pessoas que se relacionam diariamente em conjunto.
É a representação de uma situação vivida pelos estudantes em seu trabalho diário. A codificação” consiste na representação de uma situação existência ou real, construída pelos alunos com seus elementos de integração”

Ativismo
Podemos dizer que ativismo é a transformação da realidade humana.
Atitude daqueles que se dedicam exclusivamente à ação sem refletir criticamente sobre o que fazem. Sem sistematizar sua prática. Seu oposto é o verbalismo, que consiste em valorizar apenas a palavra a teoria, e desprezar a ação, a prática.

ana cristina

Mensagens : 2
Data de inscrição : 19/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por Poliana Dos s.Bandeira em Sex Abr 19, 2013 2:19 am

Gadotti vem nos mostrar que Diante das mudanças provocadas pelas novas tecnologias da informação e da comunicação, na sociedade atual, os professores encontram-se frente a mais um desafio: entender como estas mudanças afetam a escola e modificam seu papel na sala de aula.professor hoje tem formar pessoas críticas,que saibam defender seu direitos e tambem saibam seus deveres, pois é iberdade como uma conquista e não uma dádiva; ela exige uma pesquisa permanente. Pesquisa permanente que só existe no ato responsável daquele que a realiza. Ninguém possui a liberdade, como condição para ser livre; ao contrário, se luta pela liberdade porque não se a possui.

Poliana Dos s.Bandeira

Mensagens : 4
Data de inscrição : 03/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por williany em Sex Abr 19, 2013 10:31 pm

PROJETO DIDÁTICO INTERDISCIPLNAR:
DIALOGANDO COM OS CONCEITOS ESTRUTURANTES NA FORMAÇÃO DOCENTE
ACADÊMICO/A: WILLIANY LÍLIAN DE MELO MOURA
III PERÍODO NOTURNO

QUADRO DE CONCEITOS DO FÓRUM VIRTUAL
REFERÊNCIAS: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. 1. Ed. – São Paulo : Publisher Brasil, 2007.


CONCEITOS
O QUE EU APRENDI

GLOSSÁRIO



RESPEITO À PESSOA
Paulo Freire era uma pessoa que tinha muito respeito por todos, mesmo que não concordasse com o modo de pensar do outro, sempre havia respeito da parte dele, com isso as pessoas tinha também um respeito por ele ao discordar de Paulo Freire, ele tinha um valor alto de civilização, por essas atitudes tomadas por ele. Paulo Freire sempre foi uma pessoa cordial, generosa, muito respeitosa. Podia discordar das idéias, mas respeitava a pessoa, mostrando um elevado grau de civilização. E mais: sua prática do diálogo o levava a respeitar também o pensamento daquelas não concordavam com ele.



DESVALORIZAÇÃO DA PROFISSÃO


A diminuição do salário de professores e professoras fazia com que ter essa profissão, não valia à pena, pois a falta de valorização dos mesmos era grande, e isso fazia com que existisse um certo aumento elevado de deterioração das escolas. A maioria desses professores e professoras, com a diminuição drástica dos salários, com a desvalorização da profissão e a progressiva deterioração das escolas - muitas se parecem mais com presídios do que com escolas – procuram cada vez mais cursos e conferências e busca de uma resposta que não encontraram nem na sua formação inicial e nem na sua prática atual.


NOVA ESCOLA


Paulo relata que para que houvesse uma nova sociedade era preciso ter uma nova escola, era preciso uma reflexão sobre os métodos que eram utilizados nas escolas com inovações para chegar à nova escola.
Paulo Freire sustentava que para que houvesse uma nova sociedade era preciso uma nova escola, alicerça numa nova práxis educativa. Para isso se desse, insistia na necessidade de uma reflexão sobre os métodos utilizados pelas escola dão colonizadores. Para transformar as estruturas sociais dominantes é preciso primeiro conhecê-las.


ESPAÇO DE RELAÇÕES


O espaço de relações é a escola, pois na escola é fruto de história particular, nela existe pessoas e relações, é uma lugar onde há representação social, a escola tem um papel criativo que é essencial e transformadora.
A escola é um espaço de relações. Neste sentido, cada escola é única, fruto de sua história particular, de seu projeto e de seus agentes. Como instituição social ela tem contribuído tanto para a manutenção quanto para a transformação social. Numa visão transformadora ela tem papel essencial crítico e criativo.


TEORIA E PRÁTICA


Para Paulo Freire a coerência era uma virtude que tomava a forma de esperança, essas virtudes com exigências ou virtudes necessárias da prática educativa e transformadora, com essa coerência entre a teoria e a prática o destaque esta a solidariedade.
Em todos os seus escritos, Freire nos fala das virtudes com exigências ou virtudes necessárias à pratica educativa transformadora. Mas também nos deu exemplo dessas virtudes, entre elas a tolerância e a coerência. Nesta coerência entre teoria e prática, eu destacaria o valor da solidariedade.


EDUCAR
Educar é sempre impregnar de sentido todos os atos da nossa vida cotidiana. É entender e transformar o mundo: compartilhando mais do que conhecimento, pois numa sociedade violenta como a nossa é preciso educar para o entendimento. Educar também é desequilibrar, duvidar lutar tomar partido, esta presente no mundo.
O aluno só aprenderá quando tiver um projeto de vida e sentir prazer no que esta aprendendo. O aluno quer saber, mas nem sempre quer aprender o que lhes é ensinado. Devemos aprender com a rebeldia do aluno, que é um sinal de sua vitalidade, um sinal de sua inteligência. Ela deve ser canalizada para a criatividade social e não para a violência.


EDUCAÇÃO BÁSICA

A importância da educação básica para a formação da cidadania é como forma de se preparar para o trabalho, porém, saber distinguir o essencial é muito importante, saber distinguir o essencial estrutural do conjuntural é decisivo.
A Educação Básica é conseqüência de um longo processo de compreensão do que é essencial, do que é permanente a sua cidadania e construa um projeto de vida, considerando a dimensão individual e coletiva, para viver bem em sociedade.


CIDADE QUE EDUCA

A cidade pode ser considerada como a cidade que educa, quando, além de suas funções tradicionais, econômicas, política, social de prestação de serviços, ela exerce uma nova função cujo objetivo é a formação para e pela cidadania, Pois a cidade é cultura, criação não só fazemos nela e dela mas criamos nela com ela.
Cidade que educa quando ela busca instaurar, com todas as suas energias, a cidadania plena, ativa, quando ela estabelece canais permanentes de participação incentiva a organização das comunidades para que elas tomem em suas mãos, de forma organizada, o controle social da cidade.


GLOBALIZAÇÃO


O impacto da globalização foi analisado por muitos especialistas, ela é como um fenômeno provocado pela expansão dos meios de comunicação e das novas tecnologias da informação. Há muitas conseqüências positivas do avanço tecnológico, mas a tecnologia, por si só não é liberadora.
A globalização capitalista neoliberal (globalismo) trabalha com a noção de governo separada da noção de estado. O estado, além do governo, tem uma dimensão simbólica que inclui a noção de cidadania.


COTIDIANO DO TRABALHADOR
O cotidiano não nos permite pensar criticamente a nossa realidade, todo tempo está voltado para a mercadoria, para o consumo e não para a criação artística, para o simbólico para o lúdico.
O cotidiano do trabalhador seria subordinado aos tempos da produção de mercadorias, uma rotina diária de ida e vinda do trabalho. É o cotidiano programado que se estende a todos os habitantes da cidade.



williany

Mensagens : 7
Data de inscrição : 19/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por Joelma de Sousa Martins em Sab Abr 20, 2013 5:36 pm

GADOTTI, em a ESCOLA E O PROPFESSOR, frisa que as pessoas estão em constantes busca do seu proprio desenvolvimento e construindo cada dia novos saberes por isso é importante que a escola e o professor andem juntas e tenham os mesmos objetivos. Por isso é importante que o professor tenha formação prática e teorica para se estabelecer assim o que se faz e o que se pensa.


Joelma de Sousa Martins

Mensagens : 6
Data de inscrição : 07/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por Maria Simone em Dom Abr 21, 2013 1:03 am

A escola é um espaço educacional que possibilita e propociona a criança a construção de conhecimentos, saberes, e desenvolver pensamentos críticos interagindo socialmente com os outros. No entanto, a criança precisa da mediação do professor para aprender, e o professor precisa ter paixão para ensiinar, só assim ele conseguirá atingir seu objetivo na aprendizagem da criança.

Maria Simone

Mensagens : 6
Data de inscrição : 05/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por Ticiana de Oliveira Melo em Dom Abr 21, 2013 2:15 am

Paulo Freire, relata que para que se tenha uma nova sociedade era preciso ter uma escola nova, e essa transformação se daria atraves da utilização de novos metodos principalmente o da reflexão, e a maneira de se trabalhar com eles dando oportunidade de expor seus conhecimentos, e dando oportunidade de se desenvolver seu lado critico.

Ticiana de Oliveira Melo

Mensagens : 6
Data de inscrição : 05/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por priscilla silva araujo em Dom Abr 21, 2013 2:22 am

A escola e uma instituição,onde se aprende,brinca,se diverte,se ensina e também de se relacionar com outras pessoas.Para que a escola permaneça de portas abertas, e preciso profissionais qualificados para atuar em seus determinados cargos.O professor tem virtudes e habilidades para transformar o ambiente onde se aprende em momentos agradáveis na vida dos alunos e alunas no período em que estão fora de casa.

priscilla silva araujo

Mensagens : 5
Data de inscrição : 05/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por Juliana Medrado de Sousa em Dom Abr 21, 2013 4:38 pm

COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO DA ACADÊMICA HERTHA

Gostei muito do texto da Hertha, pois aborda exatamente aquilo que Paulo Freire define sobre liberdade. Luta-se pela liberdade, pois ninguém a possui sem busca-la.

COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO DA ACADÊMICA NATHÁLIA

No texto da Nathália ela fala sobre o diálogo entre as pessoas. Na nossa formação de acadêmicos ele é extramamente importante, pois atraves do diálogo, nos transformamos, aprendemos e trocamos conhecimentos.

COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO DO ACADÊMICO ICARO

O texto aborda extamente aquilo que chamamos de Ativismo. Atitude daqueles que se dedicam exclusivamente à ação sem refletir criticamente sobre o que fazem. Seu oposto é o verbalismo, que consiste em valorizar apenas a palavra, a teoria, e desprezar a ação, a prática.

COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO DA ACADÊMICA GHEYSA

Paulo Freire é bem claro quando diz que a práxis é considerada uma etapa necessária na construção de conhecimento válido, é a busca da melhoria entre o que pensamos e o que iremos fazer. É quando unimos a teoria e as experiências.
Gheisa expressou em seu texto exatamente o que o autor quis abordar.

COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO DA ACADÊMICA ARIADINA

Ela relata em seu texto que Alienação é quando a pessoa que não tem atitude própria que não tem capacidade de produzir só reproduzir, é incapaz de criticar e aceitar ser um sujeito passivo.
Ocorre também com pessoas que vivem em condições sociais determinadas, e se submetem aos valores e instituições dadas, perdendo assim a consciência.

COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO WILLIANY

Globalização é exatamente isso, como um fenômeno provocado pela expansão dos meios de comunicação e das novas tecnologias da informação. Há muitas conseqüências positivas do avanço tecnológico, mas a tecnologia, por si só não é liberadora.

Juliana Medrado de Sousa

Mensagens : 2
Data de inscrição : 04/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por Mayra Oliveira Silva em Dom Abr 21, 2013 8:55 pm

Neste livro Gadotti ressalta que o conhecimento é quando absorvemos o que foi ensinado e utilizamos. Também relata que o ser humano vive em constante aprendizagem, pois todo dia aprendemos algo novo, em uma constante desenvolvimento. E da importância de haver conhecimentos para que não a pessoa não possa ser alienada.[justify]

Mayra Oliveira Silva

Mensagens : 6
Data de inscrição : 06/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por angelicamedrado em Seg Abr 22, 2013 12:47 am

Qualquer coisa que se for fazer tem que ser com paixão. Na educação não é diferente. O professor tem que ter paixão por ensinar, educar, para despetar nos alunos a vontade de aprender, pois, é na escola que eles vão construir seus conhecimentos para a vida social.

angelicamedrado

Mensagens : 3
Data de inscrição : 08/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por ana cristina em Seg Abr 22, 2013 5:13 pm

Hertha, Sim liberdade é movimento, é o direito de ir e vir de acordo com sua necessidade e vontade, sem prejudicar ao próximo.

Nathália Muniz, o ativismo é a transformação da realidade de nós mesmos, através de atitudes e idéias essenciais para a vida.

Juliana Medrado, a humanização descreve fases da vida, mudanças e desafios através da comunicação.

Icaro Veloso, Conclui-se que a educação é o caminho da humanização e das possibilidades.

Ariadina da Silva Brandao, sim o diálogo é fundamental para o convívio social e cultural, podendo ser a solução de conflitos.

Andre Almeida, ensinar e aprender é de fato um conjunto de idéias, pois andam lado a lado em busca de uma satisfação.


Atenciosamente, Ana Cristina

ana cristina

Mensagens : 2
Data de inscrição : 19/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por taynara karuany rego em Seg Abr 22, 2013 7:42 pm

Gadotti aborda a paixao de ensinar de Paulo Freire com o intuito de frisar a importancia da relacao aluno-professor ,e quais contribuicoes os educadores podem dar na construcao de um ser humano ,através da educacao.

taynara karuany rego

Mensagens : 8
Data de inscrição : 05/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por andre almeida em Seg Abr 22, 2013 11:32 pm

comentários a cerca do texto de JULIANE:
bem como frisa o texto tira -se a ideia que o autor nos traz os elementos básicos de uma relação individuo e sociedade.

comentários a cerca do texto de NATÁLIA:

esta por sua vez trouxe o conceito de ação cultural , e bem não poderia deixar de mencionar de mencionar do elemento aprendizagem, reforçando sua importância da vida do individuo em sociedade e bem como na sua formação.

comentários a cerca do texto de ANA CRISTINA:
não diferente aos demais texto, este retratou a importância dos elementos básicos para que uma sociedade vivam em perfeito estado, elementos estes que se alcançados tornaria o convívio em sociedade mais humanistico.

andre almeida

Mensagens : 3
Data de inscrição : 03/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por andre almeida em Seg Abr 22, 2013 11:48 pm

comentários a cerca do texto de JULIANE:
bem como frisa o texto tira -se a ideia que o autor nos traz os elementos básicos de uma relação individuo e sociedade.

comentários a cerca do texto de NATÁLIA:

esta por sua vez trouxe o conceito de ação cultural , e bem não poderia deixar de mencionar de mencionar do elemento aprendizagem, reforçando sua importância da vida do individuo em sociedade e bem como na sua formação.

comentários a cerca do texto de ANA CRISTINA:
não diferente aos demais texto, este retratou a importância dos elementos básicos para que uma sociedade vivam em perfeito estado, elementos estes que se alcançados tornaria o convívio em sociedade mais humanístico.

comentários do texto de HERTHA:

umas das passagem mais interessante do texto foi quando ela cita sobre humanização trazendo o seguinte entendimento: HUMANIZAÇÃO

Ato ou efeito de humanizar, mudando o comportamento e atitudes, tornando-se humano e dando condições humanas.

comentário acerca do texto de ARIÁDINA :

A academia abordou o seguinte entendimento a cerca da palavra CONHECIMENTO, É o que desenvolvemos quando temos domínio de algo é impregnar dar sentido a vida entender a transformação que acontece no dia a dia.
a asse entendimento vê-se a ideia de auto-confiança, total domínio na quilo de acreditamos, dotados de conhecimento.

comentários do texto de WYLLIANY:
não difente do entendimento do autor, que por sinal trata do ato de educar tem se o entendimento acerca do que de é educar,

Educar é sempre impregnar de sentido todos os atos da nossa vida cotidiana. É entender e transformar o mundo: compartilhando mais do que conhecimento, pois numa sociedade violenta como a nossa é preciso educar para o entendimento. Educar também é desequilibrar, duvidar lutar tomar partido, esta presente no mundo.





andre almeida

Mensagens : 3
Data de inscrição : 03/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por Mônica Ribeiro em Ter Abr 23, 2013 12:39 am

o autor falar que que devemos sempre manter a nossa cultura de ensinar os nossos filhos ok foi ensinado pra nois .

Mônica Ribeiro

Mensagens : 5
Data de inscrição : 05/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por Nathália Muniz em Ter Abr 23, 2013 12:54 am

Comentário referente ao texto LIBERDADE da acadêmica HERTHA_TRAUTMANN.
Eu concordo, pois ela aborda que a liberdade é o principal direito que todos os cidadãos têm através dele, de empregar em comum expondo os seus esforços para um fim lícito.

Comentário referente ao texto HUMANIZAÇÃO da acadêmica Juliana Medrado de Sousa
Diz que é um caminho onde todos, tanto homens e mulheres, podem chegar há superar seus limites os desenvolvendo.

Comentário referente ao texto CODIFICAÇÃO do acadêmico Ícaro Veloso.
Ele aborda que codificação educacional significa a modificação de características de um sinal para torná-lo mais apropriado para uma aplicação específica.

COMENTÁRIO referente ao texto GLOBALIZAÇÃO da acadêmica Williany.
Globalização é exatamente o que ela diz, como um fenômeno provocado pela expansão dos meios de comunicação e das novas tecnologias da informação. Há muitas conseqüências positivas do avanço tecnológico, mas a tecnologia, por si só não é liberadora.

COMENTÁRIO referente ao texto HUMANIZAÇÃO da acadêmica ANA CRISTINA:
Não diferente aos demais texto, este fala da importância dos elementos básicos para que uma sociedade vive em perfeito estado, elementos onde alcançados tornaria o convívio em sociedade mais humanístico.

COMENTÁRIO referente ao texto CONHECIMENTO da acadêmica ARIÁDINA :
Ela abordou o seguinte entendimento vê-se a ideia de auto-confiança, total domínio na quilo de acreditamos, dotados de conhecimento.

Nathália Muniz

Mensagens : 2
Data de inscrição : 03/04/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: GADOTTI, Moacir. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum